23 de agosto de 2010

Terreiro Grande!!!

As recordações da Ilha de Paquetá serão recorrentes em minha imaginação por um bom tempo. Não há como não se apaixonar por aquela ilha. As ruas de terra com as bicicletas circulando e levantando poeira, o canto dos pássaros e as casinhas antigas dão uma ideia de que o tempo parou ali. Ontem eu estive lá para ver a apresentação do Terreiro Grande no Paquetá Iate Clube.

Antes, na véspera, houve o encontro do Terreiro Grande com os sambistas do Samba da Ouvidor, engalanado pela presença de Waldir 59, compositor histórico da Portela e parceiro de Candeia, o grande homenageado do fim de semana. Devido à superlotação do espaço, no entanto, foi um pouco complicado ouvir a roda de samba, algo que não ocorreu no samba em Paquetá.

A roda de samba que foi armada no Iate Clube foi, sem dúvida, uma das melhores que vi do Terreiro Grande. Havia uma energia forte e a emoção estava visivelmente estampada nos rostos dos integrantes da roda e naqueles que sempre acompanharam estes sambistas desde o tempo do Morro das Pedras.

Na platéia, a família da Cristina Buarque estava quase toda presente (faltou só o Chico) e era nítida a satisfação deles em ver uma roda de samba tão caprichada. Sem dúvida, aquele espaço naquele momento, a história do samba estava sendo escrita. Quem viu, viu.

Conheço o pessoal do Terreiro Grande desde a época do lendário Morro das Pedras, agremiação de sambistas que buscava a valorização cultural e social do samba. Depois, acompanhei o surgimento do Terreiro Grande, com o lançamento do histórico disco ao vivo, lançado em 2007.

Frequentei rodas de samba deles em Ferraz de Vasconcelos, Sapopemba, São Mateus e Tatuapé, entre outros lugares. Neste fim de semana, no Rio. Sinto o samba viver, pulsante e pungente, quando os vejo tocar.

Com o disco em homenagem a Candeia, lançado neste ano de 2010, pudemos ver um trabalho caprichado, uma sincera homenagem a alguém que tanto fez pela cultura popular brasileira.

Ontem, a espetacular roda de samba que a Ilha de Paquetá presenciou, fez deste sambista que vos escreve um saudosista apaixonado. Deixei um pedaço de meu coração para sempre ali.

Parabéns Terreiro Grande, com vocês o samba é elevado ao céu. Obrigado.

2 comentários:

Artur de Bem disse...

:~

Vinicius Terror disse...

Ô inveja (inveja boa...rsrs)
Queria ver esse espetáculo, nem que fosse pelo youtube!
Fazer o que... quem sabe na próxima!

Creative Commons License
O Couro do Cabrito by André Carvalho is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.
Permissions beyond the scope of this license may be available at www.creativecommons.org.br.